Controlar tamanho da fonte

A- A A+


Links úteis

SlideBar
altPresidente do TCE/PR em 1969 e no biênio 1980/81, advogado, jornalista e professor universitário lançou sua décima obra literária, na qual dialoga com personagens históricos como Lampião e faz referências a ícones como Sêneca, conselheiro do imperador romano Nero. O conselheiro aposentado e ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE/PR) João Féder lançou seu décimo livro, no último sábado (26 de junho) – dois dias depois de completar 80 anos –, ele publicou “Gutenberg & Eu”. São 38 histórias, aventuras, e episódios que narram as relações do autor com personagens históricos e acontecimentos marcantes não só na vida dele, mas através do tempo e da história antiga e contemporânea.

Neste novo livro, lançado na Livraria do Chain, Féder, que também é advogado, jornalista e professor universitário, ora se relaciona com o lendário cangaceiro Lampião, ora se vê comprando os sapatos do Papa. Ele conta como arrastou estrelas de Hollywood para Curitiba e fala da sua admiração por Sêneca, conselheiro de Nero.

Um dos textos ele dedica à curiosa paixão pela cantora peruana Yma Sumac, de voz singular e que recompensou o autor com um show em Nova York. O embate de Féder com a censura nos anos negros da ditadura militar também está registrado nesta edição independente de 139 páginas, em que a referência ao seu ilustre homônimo alemão, Johannes Gutenberg, conhecido como “inventor na imprensa”, vai além dessa coincidência. Fica por conta do leitor descobrir. Dezesseis poesias inéditas integram o volume.

Decano da imprensa parananese, João Féder começou a trabalhar em 1948. Passou pelo rádio, jornais (inclusive criando a Tribuna do Paraná) e implantou a TV Iguaçu, em Curitiba, e a TV Tibagi, em Apucarana. Lecionou, durante 30 anos, Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade na Universidade Federal do Paraná (UFPR) e na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Natural de Campo Largo, Féder foi conselheiro e presidente do Tribunal de Contas do Estado em duas oportunidades: em 1969 e no biênio 1980/81.